ECT apresenta proposta de custeio do plano de saúde que afronta os trabalhadores

 In Notícias, Uncategorized

O argumento da crise cai, mais uma vez, como uma bomba no colo dos (as) trabalhadores (as) dos Correios. O que era previsto, porém sempre refutado, foi posto em prática nesta quinta-feira (5) com a apresentação da ECT sobre Custeio para o Plano de Saúde, na Comissão Paritária de Saúde, com os (as) representantes da categoria, após ter adiado inúmeras vezes o tema. Pela proposta de melhoria para o plano de saúde sugerida pelos Correios, os (as) empregados (as) passam a arcar com 50% das despesas totais do plano, uma mensalidade por dependente e um compartilhamento de 10% a 30% das despesas de cada procedimento.

Além do custeio, para os pais e mães dos (as) trabalhadores (as), a ECT propõe a criação de um plano de saúde específico, com custeio com participação decrescente dos Correios, por dez anos. Ou seja, a empresa financia 90% da mensalidade, inicialmente, reduzindo a participação em 10% ao ano, até a integralidade para os (as) empregados (as), após uma década. Ainda para os genitores, haverá mensalidades com coparticipação de 30% e 10% e acesso à rede diferenciada.

Mais incoerente ainda com a realidade das bases, a tabela apresentada pela ECT demonstra disparidade nas mensalidades, entre os mais baixos aos mais altos salários. Em porcentagem, que ganha mais, continua com mais, pois vai pagar bem menos para o plano de saúde. Ou seja, quem ganha cerca de R$ 20 mil, arca com apenas 10%, já os que têm rendas mensais de até R$ 2.500,00, pagam 30%. Outra ação arbitrária da empresa.

A ameaça vinha sendo denunciada há tempos. Os representantes dos Correios, conforme entendimento da categoria, têm culpado o plano de saúde dos (as) ecetistas pelos problemas financeiros dos Correios. No entanto, vale destacar que, também durante os estudos da Comissão Paritária de Saúde, ficou esclarecido que os gastos com plano de saúde não alcançaram nem ao menos 10% da receita da empresa, e práticas delituosas da gestão da Postal Saúde contribuíram pela escassez nas reservas financeiras da estatal.

Agora, um dos melhores benefícios, entre outros que compensam à categoria, que amarga um dos salários mais baixos no Brasil, pode ser enterrado pela própria ECT. Novamente, a empresa lança o prejuízo ao contracheque dos (as) trabalhadores (as) pelo esvaziamento dos cofres dos Correios. Os resultados da má gestão e a repercussão negativa com a sociedade, tanto pelas dificuldades anunciadas no lado financeiro quanto no atendimento direito à população, recaem sobre aqueles que trabalham incansavelmente pelo desenvolvimento e futuro da ECT.

Mesmo sob o descaso da gestão dos Correios, os (as) ecetistas se esforçam pela manutenção da qualidade dos serviços e do atendimento na empresa. São os (as) empregados (as) menos valorizados que batalham de sol a sol e mesmo com toda insegurança, apostando no potencial e na história que preserva o patrimônio, os Correios no Brasil.

Veja a proposta na íntegra no link a baixo:

http://www.fentect.org.br/media/informes/Proposta_de_Custeio_CorreiosSa%C3%BAde__05_01_17_Revisada.pdf

 

Fonte: Fentect

Recent Posts

Fale Conosco

Contact Us