É PRECISO UNIDADE PARA VENCER!

 In Uncategorized

O capitalismo é um sistema que vive da exploração da classe trabalhadora. A luta de classes é o confronto entre a burguesia e os trabalhadores organizados em defesas de seus interesses que lutam para evitar que essa exploração acabe lhe destruindo ou lhe deixando com as condições mínimas para manter sua dignidade e garantir a sobrevivência de sua família.

Os trabalhadores dos Correios sabem o seu papel na luta de classes, pois em 2019, lutaram durante 04 meses para conseguirem a manutenção dos seus direitos, julgado pelo Tribuna Superior do Trabalho (TST) na forma do Dissídio Coletivo de Trabalho (DCT), com duração de 02 anos.

Porém, insatisfeitos com a vitória parcial da categoria, o governo Bolsonaro e o presidente dos Correios, Floriano Peixoto, utilizaram de uma manobra jurídica  através do Ministro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Tofolli, que concedeu uma liminar monocrática modificando as Cláusulas 28 e 79 do Dissídio Coletivo, neutralizando a cláusula que validava o ACT por dois anos e alterou o compartilhamento no Plano de Saúde de 30% (trabalhador) 70% (ECT), para 50% para ambos, forçando milhares de trabalhadores a saírem do Plano de Saúde.

Em meio a maior crise sanitária, social, econômica e política que o país está passando em sua história, os trabalhadores dos Correios enfrentam uma tentativa de golpe contra seus direitos.

O governo Federal e a direção da ECT quer reduzir o ACT dos trabalhadores dos Correios a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas). Na prática, a proposta dos Correios atinge 70 Cláusulas (exclusão total de 27 Cláusulas e retirada de outras 43 normas garantidas por décadas). Entre elas estão; o fim dos 30% do adicional de Risco; Fim do Auxílio Creche/Babá; Corte dos 70% sobre as férias; e não foi apresentada nenhuma proposta para o reajuste salarial. O objetivo é humilhar os funcionários dos Correios, deixando-o apenas com os direitos da CLT e com o que está determinado no Manual da Empresa (MAMPES).

Com relação a pauta econômica da categoria, os ecetistas estão reivindicando um aumento de 5% (cinco por cento), um reajuste salarial que ira repor a inflação, além de nos reajustar nos demais benefícios, já os tickets alimentação/refeição reajustar para R$ 45,00 a unidade e na cesta básica R$ 440,00. Além da luta pela Manutenção dos Correios como uma empresa pública e de qualidade e contra o aumento abusivo das mensalidades no Plano de Saúde.

            Os trabalhadores dos Correios precisam estar organizados para uma grande greve nacional, porque o governo e a direção da ECT só nos deixou uma opção, a luta!

Recent Posts

Fale Conosco

Contact Us